Livro Cotidiano

Livro Cotidiano
Clique para ver índice do livro

Por que as ondas crescem quando se aproximam das praias?


As ondas que se formam nas superfícies da água estão entre os fenômenos mais interessantes, bonitos, agradáveis e terríveis da natureza. Pororocas (macaréus), as ondas que se formam próximo às praias e que fazem as delícias dos banhistas e surfistas, as marés, as ondas estacionárias que se formam na foz de alguns rios e os tsunamis são alguns exemplos de ondas.
O comportamento das ondas é bastante complexo, pois depende de muitas coisas, como seus comprimentos, suas amplitudes (alturas), a profundidade da água e de como ela varia, dos ventos de sua forma etc. etc. etc. Entretanto, alguns comportamentos característicos bastante frequentes podem ser entendidos sem enormes complexidades. Uma delas é o crescimento da onda ao penetrar em águas menos profundas, coisa bem típica das ondas que chegam às praias.
============================================================
Se você se interessa pela física do dia-a-dia, clique aqui 
para ver o índice do livro Um Pouco da Física do Cotidiano


============================================================
Isso acontece em muitas situações diferentes, desde as ondas com as quais brincamos nas praias até os tsunamis, que podem assumir alturas muito grandes. Vejamos isso.
Há dois pontos necessários para entender como e quanto as ondas crescem. Primeiro, quando a profundidade da água é bem menor do que o comprimento da onda, a velocidade com que essa onda se propaga é, em quilômetros por hora, dada por 11 vezes a raiz quadrada da profundidade da água medida em metros. Exemplo: um tsunami em um oceano com profundidade de 4.000 m se propaga com uma velocidade de aproximadamente 700 km/h. (Note que um tsunami tem comprimento de onda muito grande, às vezes de muitas dezenas de quilômetros, portanto, bem maior do que a profundidade do oceano.) Uma onda na praia onde a profundidade é de dois metros tem velocidade pouco maior do que 15 km/h. (Faça as contas!).
O segundo ponto é o fato que a energia de uma onda é proporcional à sua altura (amplitude) ao quadrado. Isso porque a energia (cuja origem é a força gravitacional, quer dizer, o peso) é proporcional ao volume de água que está deslocado e, portanto, proporcional à amplitude da onda, e, também, à altura do deslocamento, também proporcional à amplitude da onda. Combinando esses dois fatores, concluímos que a energia é proporcional ao quadrado da amplitude.
Há uma terceira consideração: a energia se conserva quando a amplitude da onda é pequena em comparação com a profundidade da camada de água e, também, pequena perto do comprimento de onda.
Combinando esses três fatos, concluímos que uma onda que se desloca ao longo de uma direção apenas, por exemplo, indo direto à praia, sem se “espalhar”, tem uma amplitude inversamente proporcional à raiz quarta da profundidade.
Conclusão: quando uma onda penetra em águas mais rasas, sua amplitude cresce. É isso que a figura pretende ilustrar, embora, por dificuldades do desenhista, não esteja nada precisa, pois tudo o que foi dito só é válido para águas cuja profundidade é bem menor do que o comprimento de onda e para ondas não muito altas em comparação com a profundidade da água e o comprimento de onda.
            Por isso, tsunamis crescem quando se aproximam da costa, onde a água é mais rasa Assim, um tsunami de poucos centímetros de altura em alto mar, que passa despercebido por um navio, poder crescer muito ao se aproximar do continente e causar um grande estrago.
            Mas, cuidado. Tudo o que foi dito aqui se refere ao comportamento de ondas antes delas se quebrarem.


Nenhum comentário:

Postar um comentário