Livro Cotidiano

Livro Cotidiano
Clique para ver índice do livro

Podemos produzir a energia que usamos em casa?

    A crise energética está aí. Na verdade, é possível que a crise energética sempre tenha estado por aí, acompanhando toda a história da humanidade. Afinal, sempre precisamos de energia e usamos todas as fontes que estão ao nosso alcance. Será que podemos produzir, com nossos músculos, a energia elétrica que precisamos?
Na origem da espécie humana, toda a energia que alguém podia usar, para caçar, colher frutos, construir uma habitação etc., era a que ele mesmo produzia com seu esforço físico.  Depois, nossos ancestrais passaram a domesticar animais, como elefantes, cavalos, camelos ou bois, e podiam “roubar” desses animais um pouco da energia que eles produziam. Muito depois, vieram as rodas d’água, as máquinas a vapor, a hidroeletricidade, os motores de combustão interna, os reatores nucleares e tudo mais. Agora, surgem o aproveitamento das marés, a energia solar e outras fontes de energia. E mais coisas virão, provavelmente.
    Como há uma crise energética por aí, talvez alguém possa pensar que seria possível produzirmos energia elétrica para alimentar nossas casas usando nossos próprios músculos. Por exemplo, podemos acoplar um alternador ou um dínamo em uma bicicleta ergométrica. Assim, ao mesmo tempo em que fazemos um saudável exercício, geramos energia para nosso consumo doméstico. Será que isso funciona?
============================================================
Se você se interessa pela física do dia-a-dia, clique aqui 
para ver o índice do livro Um Pouco da Física do Cotidiano

============================================================
    A resposta é não. Uma pessoa muito forte – um excelente atleta ou alguém que trabalhe em um ofício “pesado” – conseguiria produzir, talvez, uns 100 W de potência elétrica, apenas o suficiente para acender uma lâmpada. E isso apenas por algum tempo, algumas horas. Uma potência muito maior do que esses 100 W ou uma duração mais longa, seria praticamente impossível. Assim, ainda que você seja muito forte ou tenha um amigo ou parente muito forte e conseguisse convencê lo a gerar energia para seu uso doméstico, o resultado seria muito limitado. E se você quiser aquecer água para um banho confortável, precisa convencer duas ou três dezenas de pessoas a se esforçarem ao máximo para gerar a energia suficiente para aquecer a água de um banho não muito demorado. E depois do banho essas pessoas estariam exaustas, suadas e ... precisariam tomar um banho. (E quem lhes aqueceria a água?)
    Quando, há milhares de anos, dependíamos exclusivamente do nosso esforço físico para produzir a energia que usávamos, nossos deslocamentos eram limitados a distâncias relativamente curtas, as habitações eram precárias, não tínhamos como irrigar um campo se dependêssemos de transportar a água de uma região mais baixa para outra mais alta etc. Com nosso próprio corpo, a nossa de produção de energia para fazer algum trabalho é, em média, alguma coisa na casa de alguns poucos watts. Essa média inclui desde criancinhas e idosos, que produzem bem menos do que a média, até pessoas que fazem trabalho pesado. (Alguém forte, saudável e que exerça atividades físicas relativamente pesadas, pode produzir até dez vezes mais do que a média.)
Felizmente, descobrimos outras fontes de energia além daquela que o nosso próprio esforço físico garante. Atualmente, a produção média de energia elétrica no mundo é, em números redondos, da ordem de um quilowatt por pessoa, alguma coisa perto de dez a cem vezes mais do que uma pessoa consegue produzir com seus músculos. Se incluirmos todas as outras fontes de energia, a produção por pessoa é cerca de dois quilowatts, sempre em números redondos. (A produção por pessoa no Brasil é, aproximadamente, a metade da média mundial.)
Conclusão: a mais saudável e jovem família de atletas sequer conseguiria produzir uma pequena parte da energia que consome.

Nenhum comentário:

Postar um comentário